17 maio 2012

O amor que mata

Ela tinha 27 anos,voltara a estudar , cortara os cabelos com um lindo corte da moda .Estava feliz.Depois de 6 anos em um casamento regado á altos e baixos, juras de amor exageradas acompanhadas por acessos de ciúmes e ameaças . Sempre achou natural que ele demonstrasse ciúmes, e confessava meio sem graça que de início sentia-se muito bem com isso .Conheceram -se numa festa que os amigos da faculdade fizeram, ela com 19, ele com 23 . Começaram a papear sobre os cursos que faziam, ele estava no último período de engenharia, ela no segundo de sociologia. No final da noite trocaram telefones e dois anos depois estavam casados . Ela trancou o curso a pedido dele, deixou os cabelos longos a pedido dele, só visitava os pais, irmãos e amigos com ele .Não conseguiu engravidar, como ele queria.Os anos foram passando e ela foi sentindo o peso de conviver com os seus ciúmes constantes , buscou conversar e fazê-lo entender, foi pior ele tornou-se ainda mais arisco e desconfiado.Então,mais alguns anos e muitas tentivas depois, ela se separou dele, e bem no fundo de seu coração alimentava a esperança de que um dia ele mudasse e eles pudessem se entender novamente.Seus familiares queriam que ela voltasse a morar com eles, tinham medo que o ex a agredisse, ou atentasse contra sua vida, mas ela era taxativa : ELE É UM HOMEM BOM , só não sabe controlar os ciúmes .Por isso foi morar sozinha em um apartamento alugado no mesmo bairo que ele.
Na manhã de sua partida , era uma mulher feliz .Estava bonita, como só as pessoas felizes o sabem ser .
Gostava de ir pra faculdade caminhando, era a hora em que colocava seus pensamentos em ordem e se fortalecia para o dia agitado.
Ao sair na portaria, o viu encostado no carro, parecia que ele não havia dormido bem e seu cabelo estava levemente despenteado, ele usava aquela camisa branca, aquela que ela mais gostava . Sentiu seu coração disparar e as pernas bambas, ainda amava aquele homem .Em segundos ele estava em frente a ela, e ela sentiu a frangrância de sua loção .Foi tudo tão rápido, nunca tinha visto uma arma tão de perto, os tiros queimaram e machucaram, e antes que tombasse de vez conseguiu ver os olhos dele e leu seus lábios.
Leu o desespero e o arrependimento de alguém que não sabia amar .
Ela tinha 27 anos e nos últimos instantes pensou que jamais deveria ter confundido amor com ciúmes e possessividade.




Lílian Almeida 

Venham se encontrar com a gente no Idéias Compartilhadas, a palavra desta semana é CIÚMES .
E você, COMO VOCÊ LIDA COM OS CIÚMES ? Sua opinião é muito importante, diz, aí !
Postar um comentário