28 julho 2012

A vida

Prefiro quando a vida me vem de surpresa e me agarra pelas pernas. Quando me vem saborosa e se derrete em minha boca. Quando a vida vem em calmaria plena de silêncios absolutos. Ou chega musical e sonora cantarolando em voz alta. Quando a vida vem assim: imagem e cena sequenciada em fotografia. Quando a vida me vem (não importa como) Abraço!”
Tranqüilidade é quando a vida da gente relaxa diante da vida e respira macio. Não há porque se defender de coisa alguma nem porque se esforçar para o que quer que seja. O coração pode espalhar os seus brinquedos. Cantar a música que cada instante compõe. Bordar cada encontro com as linhas do seu próprio novelo. Contar as paisagens que vê enquanto cria o caminho. Andar descalço, sem medo de ferir os pés.


Postar um comentário